Por que óleo de coco faz tão bem à saúde


Por que óleo de coco faz tão bem à saúde

O óleo de coco ganhou a vez na culinária, hoje ele está super difundido no Brasil e isso se justifica por vários motivos: é resistente ao calor não alterando suas características com o aquecimento, tem sabor agradável, combina bem com diversos tipos de preparações e vem sendo comprovados inúmeros benefícios dele junto ao corpo humano. O óleo de coco é rico em TCM (triglicérides de cadeia média) e derivado da massa do coco, rica em gorduras saturadas. A vantagem das gorduras saturadas como a de coco é que elas são as mais resistentes à oxidação e mais estáveis ao calor, por isso o óleo de coco não se torna tóxico quando aquecido, o que normalmente ocorre com vários outros tipos de óleo. Portanto, pode representar uma opção interessante para uso culinário.

Geralmente os óleos vegetais são compostos basicamente de ácidos graxos de cadeia longa e armazenados no organismo como gordura corporal, ao contrário do óleo de coco, que é utilizado como energia para o metabolismo. Isso porque apesar dele ter em sua composição uma elevada concentração de ácidos graxos saturados, estes são de cadeia média, apresentando comportamento metabólico diferenciado em virtude de suas características estruturais. O óleo de coco apresenta fácil metabolização e baixa capacidade de oxidação, o que não produz substancias tóxicas e nem agride o organismo. 

Cerca de 50% da gordura do coco é composta pelo ácido láurico, o seu principal ácido graxo de cadeia média que no corpo humano se transforma em monolaurina, uma substância com ação antibacteriana, anti fúngica e antiviral em microorganismos, tais como: Cândida albicans, Citomegalovirus, Clamídia, Estreptococos, Giárdia, Helicobacter pylori, Herpes, entre outros.

Além do ácido láurico, cerca de 7% dos ácidos graxos do coco são compostos pelo ácido cáprico que se transforma no organismo em monocaprina, que tem também propriedades antimicrobianas, notadamente contra o vírus HIV, a Clamídia, e ambos os tipos de herpes, simples e zoster.

Estudos já mostraram que o óleo de coco não aumenta o colesterol e nem o risco de desenvolver doenças cardiovasculares. Ele tende a levar a normalização das gorduras, proteger o fígado dos efeitos do álcool e aumentar a resposta imunológica contra diversos microrganismos.

Recentes pesquisas comprovam ainda que o óleo de coco pode desempenhar atividade antiinflamatória devido à sua capacidade de elevar os níveis da interleucina 10, um poderoso agente anti-inflamatório, o que faz dele um alimento protetor contra doenças.

Recomendo ter o óleo de coco como o parceiro do azeite de oliva na cozinha. Ele é mais resistente ao calor e cabe muito bem na culinária brasileira. É bom aproveitar este produto que é tão nosso. Fica a dica.

Algumas receitas com óleo de coco aqui no blog:
Bolo de maçã com canela delicioso e prático
Pão de banana quase light
Granola saudável à base de creme de amendoim caseiro

Débora Sorgi – Nutricionista Funcional

Você curte os posts da Débora e quer melhorar seus hábitos alimentares? Ela é nutricionista funcional, atende no Rio de Janeiro e também atende moradores de outras cidades. Para saber como funciona ou para agendar consulta entre em contato pelos números: (21) 8330 5775 ou (21) 2484 5028 ou pelo email ds.nutricionista@hotmail.com

Foto: Cozinha vibrante



Voltar
Letícia

  • http://www.facebook.com/811309595 Clarissa Peixoto

    Mas é muito caro!!!!! Meu pai falou que quando pequeno só consumia esse, pois era o mais barato. Uma lata era mais barata que banha de porco. O que aconteceu agora? Virou gourmet?

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Clarissa,
      Concordo com você, é caro sim! Na minha opinião, é caro por ser saudável, assim como outros produtos naturais, naturebas ou orgânicos. Já que estamos falando disso, caso você more em SP, o lugar mais barato onde compro o óleo de coco da foto é no Marukai, um supermercado japonês no bairro da Liberdade.
      Minha mãe também já me contou que a mãe dela cozinhava com “gordura de coco”, como eles nomeavam naquela época.
      Obrigada,
      Leticia