Paris a pé em 1 a 10 dias, roteiro completo com passeios e restaurantes


Paris a pé em 1 a 10 dias, roteiro completo com passeios e restaurantes

Os roteiros misturam um pouco da “Paris dos parisienses”, aquela que os turistas normalmente desconhecem, e a “Paris turística”. Eles estão por regiões, de 1 a 7, como mostra o mapa. Clique no mapa para vê-lo maior e ter todos os endereços, horários de funcionamento e outros detalhes de todos os locais indicados neste post.

mapa-pontos-turisticos-paris-a-pe

Clique no mapa para vê-lo maior e explorá-lo. Ele tem todos os locais indicados neste post com endereços e outros detalhes.

Importante: moro aqui há um ano. Ainda tenho muitos passeios para fazer, além de uma Bucket List com pelo menos 50 restaurantes e afins. Por isso, essa sugestão de roteiro contém os meus favoritos até agora, mas ela vai mudar ao longo desses dois anos, ok? No final da minha estadia aqui, vou postar tudo tim-tim por tim-tim aqui no blog.

Se você passar o mouse sobre qualquer foto deste post, vai ver a legenda de cada uma.

Atualização: Depois que escrevi este post super completo com várias opções de passeios a pé em diferentes bairros de Paris, escrevi e continuo escrevendo vários outros artigos específicos de cada restaurante ou lugar de comida e muitos deles não estão linkados neste super post aqui. Por isso, não se limite a ler apenas este post e explore bem todos os textos da Seção Onde comer em Paris do blog.

Além disso, publiquei ainda esses textos mais resumidos com outras dicas de Paris que talvez você também goste:

O que fazer em Paris em 2 dias: inclui restaurantes, mercados, lojas e turismo
Onde comer barato em Paris: meu guia com as 20 melhores comidinhas de Paris em 2014
Lojas de macarons em Paris: meu pequeno guia com as melhores confeitarias de macarons da cidade
Melhores padarias de Paris pelo Le Figaro e por mim
5 dicas para reconhecer sozinho as melhores padarias de Paris
Queijos franceses: 28 queijos deliciosos para provar na Europa e no Brasil
Curso de confeitaria: cursos rápidos de confeitaria para amadores e profissionais em Paris
Curso de culinária: cursos rápidos de culinária para amadores e profissionais em Paris
Ovos de Páscoa: a Páscoa das chocolaterias parisienses
Melhores comidinhas de Paris: Meus 23 lugares favoritos para se comer de tudo na cidade
Passeio a pé pelo bairro do Marais em Paris: mapa com passeio a pé e explicações sobre a minha creperia preferida na cidade
Passeio a pé por Saint Germain des Prés e detalhes de uma loja de azeites no bairro
Brasserie, café, restaurante, bistro e salão de chá, mas qual é a diferença?
Como economizar em Paris: 4 dicas para economizar nos restaurantes da cidade
Como alugar apartamento em Paris: recomendado para quem vai morar na cidade
Curso de gastronomia: meu curso de culinária em Paris (curso + estágio profissionalizante de longa duração)


1 – Paris central
É o “feijão com arroz” de Paris: Louvre, Jardin de Tuileries, Place de la Concorde, Place de la Madeleine, Rio Sena, Champs Elysées, Arco do Triunfo e muito mais.

  • Comptoir de la Gastronomie: mini restaurante que além de comida boa e um foie gras de primeira, tem ótimo custo x benefício. Leia mais sobre ele aqui no Cozinha vibrante.
  • Louvre, Musée d’Orsay, Musée de l’Orangerie: se eu tivesse sem tempo e tivesse que escolher só um, iria no Orangerie. Tem as Ninfas do Monet e outros quadros lindos.
  • Galeries Véro Dodat, du Palais Royal, Vivienne e Colbert: são as galerias cobertas que eu mais gosto aqui. Tem brechós de luxo, lojas de artes, sapateiro(!), alfaiate, lojas de mapas, de brinquedos antigos etc.
  • Les Fines Gueules: tem o melhor steak tartare que já experimentei até hoje (é super diferente, nada tradicional). Leia mais sobre ele aqui no Cozinha vibrante.
  • Place Vendôme: por que não?
  • Godiva: tem uma entre a Place Vendôme e a Place de la Madeleine. Adoro os morangos cobertos com chocolate amargo feitos no dia.
  • Jean-Paul Hévin: deliciosa loja de chocolates e “bar au chocolat” por algumas horas do dia. Leia mais sobre ele aqui no Cozinha vibrante.
  • Place de la Madeleine: a igreja e as lojas de comida ao redor: loja de Mostardas Maille, Fauchon, Hediard, Maison de la Truffe, Kaspia e a Maion du Miel fora da praça, mas bem pertinho dali. Ah! Para quem gosta de chocolates, tem a Patrick Roger, uma das minhas preferidas aqui.
  • Le Camion qui fume: é um caminhão itinerante que serve o melhor hambúrguer de Paris, ou, pelo menos, o melhor que já comi na vida. Cheque o site deles para saber seu o itinerário. Ele normalmente fica na Place de la Madeleine duas vezes por semana.
  • Ladurée: também pertinho da praça ou na Champs Elysées, para comprar macarons ou tomar um café.
  • Le Relais de l’Entrecôte: tem 3 endereços, mas um desses fica logo abaixo da Champs Elysées. Serve um dos meus pratos preferidos, entrecôte de boeuf. Leia mais sobre ele aqui no Cozinha vibrante.
  • Margens do Sena: por que não?
  • Arco do Triunfo: por que não subir?
  • Akrame: é um restaurante perto do Arco do Triunfo que, para mim, é um dos melhores custo x benefício de restaurante 1 estrela Michelin aqui. Tem um menu de almoço durante a semana com amuse buche, entrada, prato e sobremesa por € 35 e outras opções mais caras também.

2 – Torre Eiffel e arredores
Torre Eiffel, Musée du quai Branly, a área gourmet ao redor e o Hôtel des Invalides.

  • Musée du quai Branly: arte meio indígena/aborígene de Oceania, Américas, Ásia e África, mas o que mais gosto dele é a arquitetura e o jardim, super modernos e ousados! Falei dele no post sobre o Aux Merveilleux de Fred (link abaixo).
  • Torre Eiffel: por que não subir? É bom comprar o ingresso com antecedência para evitar fila.
  • Café Constant: bistrô em Paris com comida deliciosa e ótimo custo x benefício. Se estiver com muita fila, tente o Les Cocottes, quase ao lado.
  • Aux Merveilleux de Fred: o melhor merengue que já comi na vida, sem exagero. De diversos sabores e diferentes recheios.
  • Bellota-Bellota e Paris Seven (antiga Secco): restaurante e loja de produtos espanhóis como azeite e presunto de Parma (presunto cru) para fazer uma refeição ou só petiscar. A Paris Seven é uma padaria que fica ao lado com brioches, financiers e outras delícias.
  • Hôtel National des Invalides: onde fica o túmulo do Napoleão e um museu sobre a história militar da França, entre outras atrações.

3 – Île de da Cité e arredores
Onde Paris começou.

  • La Tour d’Argent: é bem caro, mas uma experiência inesquecível. Pesquise e reserve antes.
  • Cathédrale Notre Dame de Paris: é o coração de Paris, o marco 0 (estrela de bronze em frente à igreja). Com arquitetura gótica, a maior parte dela ficou pronta no início do século XIV. Tem visitas guiadas de 1:30h às 14h qua-qui e às 14:30h nos sábados. Adorei subir na Torre da igreja, mas chegue cedo porque a fila é enorme (fila ao lado da igreja).
  • Crypte Archéologique: fica embaixo da praça em frente à Notre Dame. Tem resquícios de estruturas construídas durante o período galo-romano e alguns dos esgotos originais projetados por Haussmann.
  • Conciergerie: construída como palácio real no século XIV, mas depois se tornou uma prisão e uma câmara de tortura. Tem uma reprodução da cela de Maria Antonieta.
  • Sainte-Chapelle: muita gente acha ela a mais bonita igreja gótica de Paris, uma jóia! Não deixe de subir no segundo andar.

4- Saint-Germain-des-Prés, Quartier Latin e arredores
Tem muita coisa legal, mas vou tentar resumir ao máximo os favoritos de tudo o que já conheci lá.

  • Cosi: se quiser uma refeição leve, rápida, gostosa, e um lugar onde comer barato em Paris. Os melhores sanduíches saudáveis de Paris, todos na focaccia feita lá e, fresco e na hora. Tem também ótimas saladas e sopas.
  • Da Rosa: uma épicerie e restaurante. As azeitonas verdes são maravilhosas.
  • Pierre Hermé: tem vários endereços, mas você pode aproveitar esta daqui para comprar aqueles que dizem ser os melhores macarons da cidade – eu gosto de vários! Leia mais sobre ele: Pierre Hermé.
  • Gérard Mulot: seus croissants já foram eleitos os melhores da cidade, mas eu adoro mesmo é o macaron de maracujá daqui. Leia mais sobre ele aqui: lojas de macarons em Paris.
  • Pierre Marcolini: tem uns dos melhores chocolates da cidade. Veja sobre ele nestes artigo sobre os ovos de Páscoa e ovos de chocolate mais bonitos de Paris.
  • L’Avant Comptoir: um lugarzinho mínimo para comer os melhores petiscos de Paris em pé. Especializado em porco, mas tem outras coisas também. Não gosto do crepe de lá. Leia mais sobre ele: bar em Saint Germain.
  • Comptoir du Relais: é um restaurante delicioso e lo-ta-do do mesmo dono do L’Avant Comptoir. Leia mais sobre ele aqui: Comptoir Saint Germain.
  • Pâtisserie Sadaharu Aoki: é pequenininha, mas um tesouro. Gosto das pâtisseries tradicionais, amo a torta de limão (tarte citron) e os macarons. Falei sobre ela no guia de onde comer barato em Paris.
  • Jardin du Luxembourg: para dar uma volta. Adoro a Fontaine Médicis lá. Veja fotos e mapa neste artigo com sugestão de passeio a pé perto do Jardim de Luxemburgo.
  • Panthéon: domo neoclássico do século XVIII encomendado por Luís XV. Não deixe de visitar a sua cripta onde “residem” Voltaire, Rousseau, entre outros.
  • Eglise Saint-Étienne-du-Mont: no canto sudeste está a tumba de Santa Genoveva, padroeira de Paris, e o relicário ali perto contém o pouco que sobrou de seus restos mortais – ossos de um dedo.
  • L’enceinte de Philippe Auguste: fica ao lado do número 5 da Rue Clovis um pedaço que sobrou do mais antigo muro de Paris, da época do Rei Philippe II.
  • Sugarplum Cake Shop: uma doceria americana. Sou louca pelos bolos, mas o brownie e os cookies também são bons. Ah! Prove a limonade fait maison. Fica perto do Jardim de Luxemburgo.
  • Le Bon Marché e a sua La Grande Epicerie de Paris: a minha loja de departamentos preferida e o seu super mercado que é uma perdição e uma festa! Leia mais sobre elas aqui: Bon Marché.
  • Café Coutume: foi lá que tomei o melhor cappuccino de Paris, aquele à moda antiga. É “simplão”, tem comida leve e bolos.
  • Fromagerie Quatrehomme: loja de queijos que também vende um pouquinho de tudo: doce de leite, vinhos, biscoitos, geléias e presunto cru. Perfeito para se abastecer para um pic nic no Jardin du Luxembourg, que fica pertinho. A Fromagerie Quatrehomme tem atendimento amigável e alguns atendentes falam inglês, ou seja, é perfeita para os turistas. Para mim, vir a Paris e não comprar queijos numa fromagerie não vale!

5 – Montmartre
Tá aí uma região que tem fama de restaurantes ruins e por isso, acabo não indo com esse objetivo. Mesmo assim conheci um bem gostoso para brunch lá.

  • Moulin Rouge: foi inaugurado como salão de baile em 1889. Olhe, tire foto e desça a rua Pierre Fontaine.
  • A L’Étoile D’Or: uma caixinha de jóias antiga em forma de loja de chocolates e balas. A dona, Denise Acabo, faz parte do “acervo”, uma verdade caricatura. O único lugar em Paris que vende chocolate Bernachon, tidos como os melhores do mundo! Sou louca pelas barras Kalouga e Orange do Bernachon e o caramelo de manga e maracujá do Jacques Genin vendidos lá. Atualização: infelizmente esta loja explodiu e não tem previsão de reabertura em função do avançado da idade da dona.
  • Le Bal Café: um brunch em Paris, à inglesa, com scones, muffins, kedgeree, ovos e bacon, bom demais!
  • Sacre Coeur e a igrejinha “de trás”, St. Pierre de Montmartre: a St. Pierre é a mais antiga de Montmartre e a Sacre Coeur é “novinha”, de 1919, e tem uma vista ótima de Paris. Você vai se sentir no Amélie Poulain!
  • Place du Tertre: é master turística, mas resume bem a cara de Montmartre. Cheia de artistas de rua.
  • Clos Montmartre: um pequeno vinhedo de 1933, cujas 2 mil vinhas produzem, em média, 800 garrafas em outubro, dá para acreditar que existe um lugar desses em Paris? Algumas ruas próximas dele são as coisinhas mais charmosas de Montmartre: Rue Poulbot, Rue des Salues, Rue Cortot e Rue de l’Abreuvoir. De lá, desça ela até chegar à estátua da Dalida, suba a Rue Girardon e vire à direita da Avenue Janot. Vá até a Villa Léandre, uma ruazinha sem saída que é charmosíssima, toda de casinhas.
  • Moulins Blute-Fin e Radet: os dois moinhos de vento usados para moer trigo que restaram dos séculos XVII e XVIII. O Blute-Fin, que no século XIX foi transformado em salão de baile, foi imortalizado por Renoir em seu quadro de 1876, Le Bal du Moulin de la Galette.
  • Café des 2 Moulins, o da Amélie Poulain: nunca experimentei nada lá, mas gostei de ter passado em frente, é um clássico!

6 – Bastilha e Marché d’Aligre
Um bom passeio para o domingo, quando muitos lugares em Paris ficam fechados, mas essa região se mantém “viva”.

  • Marché Bastille: uma das maiores feiras livres da cidade, que mesmo assim, é pequena. Dá até para comprar chapéu Made in não se onde barato. Tem uns lindos!
  • La Manufacture de Chocolat Alain Ducasse: é a única dessa região que vai estar fechada no domingo. Leia sobre ela neste post aqui: loja de chocolate Alain Ducasse.
  • Blé Sucré: uma padaria-doceria simpática numa pracinha idem. A madeleine de lá é super famosa e uma das poucas que gostei aqui (acho a maioria seca e sem graça).
  • Marché d’Aligre e Marché Couvert Beauvau: eles ficam um ao lado do outro, sendo que o primeiro é ao ar livre e o segundo é coberto. Eles parecem ter vidas próprias, de tão movimentados e alegres.
  • La Graineterie du Marché: uma loja de “secos e molhados” para você entrar e se sentir no passado. Compre um pouquinho de petit-mulot, um biscoitinho de pain d’épices (um pão doce com gengibre, canela e outros temperos) para sair comendo pela rua. Fica em frente ao Marché d’Aligre.
  • Paris-Pêche: um restaurante-peixaria em Paris para ter uma experiência très, três parisienne, com os locais almoçando peixe direto na peixaria, principalmente aos domingos.
  • Canal St Martin – entre a Praça da Bastilha e o Rio Sena: um passeio a pé às margens do canal, pelo lado do Boulevard de la Bastille. Não vá pela rua, desça para a margem. Ela praticamente vira uma praia a partir da primavera! Se quiser fazer um passeio de barco que sai deste Canal e dura 2:30h, entre no www.canauxrama.com. Você vai passar por 8 eclusas, mas atenção, o passeio é bem “paradão”, tá?
  • Promenade Plantée: uma passeio mágico e verde sobre um antigo trilho de um trem. Uma parte dele é um jardim suspenso e a outra, um jardim sobre o nível da rua. Para mim, aqui é o lugar mais romântico da cidade para um pedido de casamento. Fica a dica, rapazes! Um dos pontos turísticos de Paris mais bonitos e menos explorados pelos turistas.
  • Île St Louis – Berthillon: termine o passeio – a pé, claro! – tomando um sorvete na Berthillon, a mais queridinha sorveteria parisiense. Adoro o de chocolate (é amargo!), maracujá, caramelo e framboesa. Depois ande pela ilha.

7 – Marais e arredores
É o bairro cool, despretensioso, a “Vila Madalena” de Paris.

  • Maison Européenne de la Photographie: se você curte fotografias como eu, vai adorar esse museu.
  • Place des Vosges: muitos dizem que é a mais linda de Paris, mas eu ainda não consegui fazer a minha escolha, gosto de muitas! Dá para visitar a Maison de Victor Hugo na praça e de graça!
  • Pitzman e L’As du Fallafel: onde você vai comer o melhor falafel em Paris. Um sanduíche árabe vegetariano no pão pita com bolinhas de grão de bico, sério, uma delícia!
  • Robert et Louise: ótimo restaurante de carne no Marais com excelente custo x benefício.
  • Breizh Café: o melhor crepe de Paris, original, de verdade. O post sobre ele tem mais dicas de passeio e pé pelo Marais Paris com mapa.
  • Loja Merci e seus Cafés: a loja é uma festa e seus cafés também. Sou louca pelo bolo de laranja da Cantina, a que fica no sub-solo.
  • Marché des Enfants Rouges e seus restaurantes: é uma pequena feira coberta com dois restaurantes gostosos e baratos: o japonês Taeko e o italiano Magiamo Italiano. Leia mais sobre eles aqui no Marche des enfants rouges.
  • Nanashi: restaurante quase 100% vegetariano com comida natureba deliciosa e um bolo de cenoura de capotar (meu favorito!). Leia mais sobre ele aqui: restaurante vegetariano Paris.
  • Jacques Genin: confeitaria em Paris, loja de chocolates e caramelos que mais parece uma joalheria. Tem até um espaço para tomar um café. Uma delícia! Sou viciada no caramelo de manga e maracujá.
  • Tuck Shop: espécie de cantina orgânica que tem um café excelente, pequeno restaurante vegetariano em Paris. É meio hippie.

Fora dos bairros mais turísticos e outros assuntos:

  • Lojas de vinhos: você pode comprar na Nicolas, uma rede com mais de 250 lojas em Paris (você com certeza passará em frente a uma delas) ou em qualquer supermercado ou loja especializada. Tem uma lojinha ótimo e super especializada em Saint-Germain-des-Prés chamada La Dernière Goutte, leia mais sobre ela aqui no Cozinha vibrante.
  • Musée Jacquemart André e Nissim de Camondo: adorei conhecer essas mansões intactas e suas coleções de arte que que viraram museus.
  • Muséum National d’Histoire Naturelle: museu com várias galerias/exposições, Jardin des Plantes e Zoológico. O prédio onde fica o museu é lindíssimo por dentro, parece uma antiga biblioteca à la Harry Potter.
  • Lao Lane Xang: muita gente não gosta, mas eu adoro comida vietnamita, thailandesa e afins. A salada com arroz crocante e o porco caramelizado com arroz são maravilhosos. Leia mais sobre ele: restaurante tailandês em Paris.
  • Missas: é católico? Vou na missa de 11h da Sainte Eustache no domingo. Tem órgão e canto gregoriano, mas sei que outras igrejas têm missas emocionantes também, como Notre Dame, Saint Sulpice, Saint-Germain-des-Prés e Sacre Coeur (dizem que a missa das 10h no domingo de Páscoa lá tem o Coral dos Meninos de Paris e é lindíssima. Eu não estava aqui na Páscoa, senão teria ido). Todas têm concertos também, mas tem que entrar no site para ver a programação.
  • Ópera ou ballet: entre no site para ver a programação. As mais famosas são: Opéra Garnier, Opéra Bastille e Théâtre du Châtelet. Se não conseguir comprar antes, dá para arriscar tentar comprar na hora ou no dia do espetáculo em Kioskes Théâtre que ficam em algumas praças da cidade.
  • Salon de thé: é uma experiência legal, você vai se sentir no passado. Tem vários, o da Ladurée na Champs Elysées e na Rue Bonaparte, vários da Angelina, no próprio Museu Jacquemart André que falei acima e muitos outros. É gostoso para comer umas coisinhas e tomar um café ou um chá. A decoração deles normalmente é linda.

Paris é pequena, acredite! Ela tem cerca de 10 km de comprimento com 18 km de largura. Portanto, minha dica é: explore-a ao máximo a pé! Mas se eles calejarem, use o ônibus em vez do metrô. Eles são mais limpos, vazios e você ainda pode ver a cidade. Entre no www.ratp.fr, digite sua origem e destino e ele vai te indicar o melhor itinerário, que pode ser ônibus ou metrô. Mas você pode marcar a opção Bus para pedir só as opções de ônibus. Outra dica: se tiver que fazer conexão de ônibus, daí vale a pena pegar o metrô, pois a conexão dele é mais rápida. Compre o passe mensal ou o pacote com 10 trechos, ambos valem para ônibus e metrô. Além disso, você pode alugar uma bicicleta. Com certeza você passará em frente a um “ponto” de bicicletas Velib. Só preste atenção na hora de devolvê-la e tenha certeza que ela ficou presa, mesmo depois de a luz ter ficado verde.

Vários locais citados aqui têm mais de um endereço em Paris, principalmente as docerias e as lojas de chocolates. Se você quiser ver todos os endereços, clique no mapa do início deste post.

Se tiver alguma dúvida ou quiser me fazer uma pergunta, mande um comentário aqui embaixo.

Aproveite!

Fotos: Cozinha vibrante



Voltar
Letícia

  • Cássia

    Amei, amiga, que roteiro super bem feito! Deu muita vontade de voar praí agora!

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Venham logo para cá que vamos adorar e aproveitar muito! Bjs

    • Priscilla Quevedo

      Estou indo para Paris e estou com muito medo , pois ouvi dizer que há muitos trombadinhas na cidade próximo ao metrô , a situação é realmente grave ? ou exagero ?

      • Priscilla Quevedo

        Como assim aguardando moderação ?

      • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

        Oi Priscilla,
        Seu comentário ficou aguardando aprovação pois toda primeira vez que alguém comenta, a plataforma que eu utilizo pede que eu aprove este comentário. Nos seguintes, eles já deverão aparecer automaticamente.
        Moro aqui há 11 meses e nunca vi nada acontecer na minha frente, com exceção de um cara que vi sendo algemado na saída do metrô de Montmartre, mas não vi como ele agiu). No entanto, já ouvi avisos no metrô dizendo que tinham pick pockets ali.
        O que eu faço é sempre estar alerta, evito usar o celular no metrô quando estou perto da porta de saída do vagão (pois isso facilita o trombadinha a tomá-lo da minha mão e logo sair correndo) ou quando percebo que tem gente estranha perto de mim. E quando uso, seguro ele com força. Também deixo sempre a minha bolsa fechada, assim eles não conseguem enfiar a mão sem que eu perceba (dizem que esse é o golpe mais comum aqui). Uma outra dica que eu dou é para os homens não usarem a carteira no bolso de trás da calça, é melhor eles deixarem na bolsa da mulher ou no bolso da frente da calça, com as mãos dentro.
        Bem, faço tudo isso porque sou uma pessoa muito alerta e já passei por assaltos traumatizantes no Brasil. Mas o que eu ouço aqui é que eles nunca agem com agressividade como no Brasil, ou eles vão tomar o celular da sua mão e sair correndo, ou vão tirar algo da sua bolsa ou bolso sem você perceber.
        Normalmente os pick pockets aqui são crianças ou jovens romenos ou romenas, ou um pouco mais velhos e estrangeiros (sem muita cara de estrangeiro) na faixa de até uns 35 anos. Ah, e tem também os senhores que fazem o golpe do anel. Eles fingem que pegaram um anel de ouro do chão e perguntam se é seu. A única coisa que você deve fazer é dizer que não e sair andando.
        Acho que no Brasil é muito pior e que nós já estamos acostumados a nos comportar alertamente. As estações e lugares mais turísticos e cheios de gente são as mais visadas.
        Se quiser alguma dica daqui que não esteja escrita nos meus posts, fique à vontade.
        Aproveite bastante a sua viagem!
        Bjs,
        Leticia

      • Julio Cesar

        Ah, e tem também os senhores que fazem o golpe do anel. Eles fingem que pegaram um anel de ouro do chão e perguntam se é seu. A única coisa que você deve fazer é dizer que não e sair andando. O QUE ACONTECE, O QUE ELES FAZEM CASO A PESSOA DÊ ATENÇÃO, ABRAÇO.

    • http://www.liliscent.com.br Lilian Xavier

      Excelente roteiro! Obrigada.
      Estou indo à Paris de 20 a 31 de maio 2014 e gostaria de ver tudo o que puder sobre perfumaria.
      Poderia me ajudar com isto?
      Agradeço desde já.
      abraço

  • BEATRIZ MACHADO BITTENCOURT GUZELLA

    Amei! Pode guardar para minha ida a Paris!!!
    Beijos

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Vai ficar guardadinho aqui no blog. Bjs

  • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

    Oi Jussara, a gente até tem noção do tanto de programas legais que Paris tem, mas depois de começar a colocar no papel, percebe que tem muito mais! Obrigada. Bjs

  • Pingback: Por fim… comendo e comprando em Paris | Universo (quase) particular()

  • Raquel

    As fotos estão lindas!!!Ótimas dicas e roteiros!!!! =*

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Que bom que gostou, Raquel! Fico feliz! Bjs

  • Maria Cristina Galetti Storto

    Oi Letícia… Muito bacana esse post!
    E fiquei satisfeita, que fiz vários pontos que citou…mas, preciso voltar..bjs!

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Maria Cristina, que bom que gostou do post. Agora você já tem uma desculpa para planejar a volta então! Rs. Bjs

  • http://gravatar.com/karinaglf Karina Freitas

    Putz Le! Eu adorei minha viagem para Paris, mas preciso muitoooooo voltar e seguir seu roteiro. Que delicia! Bjsss

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Karina, agora você já tem uma desculpa para planejar a volta para Paris! :-) Bjs

  • http://amandapessoa.wordpress.com Amanda Pessoa

    Letícia, eu sou tão lesa que não escrevi agradecendo a gentileza e a lembrança antes! Mil desculpas!!! Muito muito muito obrigada!
    Viajei a trabalho (é apenas uma explicação, não uma desculpa) e achei mesmo que tivesse escrito aqui!
    Será que eu consigo ir a todos esses lugares???
    Faltam apenas duas semanas pra eu chegar aí e estou já ansiosa!
    E não se esqueça: a oferta de levar alguma coisa daqui está de pé!
    Beijão e mais uma vez obrigada!!!

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Amanda,
      Imagina, meus pais estavam aqui e também não pude nem te avisar que o post já tinha sido publicado.
      Você viu a minha resposta sobre o Jules Vernes? Acho que respondi num post seu, mas vai aqui de novo: a minha amiga disse que valeu à pena muito em função da vista e que depois que eles foram lá, desbloquearam os EUR 90 do cartão de crédito exigidos na reserva.
      Sobre as lojas de chocolate em Paris, já que você adora e acabei não enfatizando no meu post, as minhas preferidas são:
      – Patrick Roger (várias localizações, mas a principal está na Place de la Madeleine, amo muito os bombons, principalmente o de limão com chocolate);
      – L’Étoile d’Or (em Montmartre, é o único lugar em Paris que vende os chocolates do Bernachon. Adoro as barras Kalouga e Orange e todo o ambiente da loja).
      – Além dessas, gosto do Jacques Genin (no Marais, adoro os caramelos de lá também, principalmente o Mangue-Passion, que é de manga e maracujá);
      – Jean-Charles Rochoux (16 Rue d’Assas, 6o. arrondissement, não gosto tanto dos bombons, mas quero muito provar a barra de chocolates com frutas frescas, normalmente morango ou alguma outra fruta vermelha que eles fazem só nos sábados de manhã);
      – La Manufacture de Chocholat Alain Ducasse (tudo delicioso, meus preferidos são as laranjas e limões confit cobertos com chocolate e o bombom citron-basilic limão com manjericão coberto com chocolate);
      – Jean Paul Hévin (a principal fica no 231 Rue Saint-Honoré, 1o. arrondissement);
      – Pierre Hermé (várias localizações);
      – Pierre Marcolini (várias localizações).
      Bom, vc viu que adoro chocolates com frutas, né? Mas sei que sou uma exceção…
      Beijos,
      Letícia

  • Pingback: Uma loja de secos e molhados pitoresca perto do Marché d’Aligre | All We Need is Food()

  • Pingback: Curiosidades sobre os franceses, os queijos e uma loja de queijos “daquelas” | All We Need is Food()

  • Cristiane Maia

    Oi Amanda, vou passar o Reveillon en Paris e vou ficar em um hotel perto da Torre Eifel. Qual a sua dica para passarmos o Reveillon. Pensei em passar no barco pelo Sena. O q vc sugere? Beijos

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Cristiane,
      Vou te dar uma meia resposta agora e buscar indicações com os meus amigos que moram aqui (franceses e gringos) sobre uma festa num barco no Sena ou outra festa que eles sugiram. Se você se sentir à vontade, me fale o perfil que você procura (idade, estilo), por favor.
      No ano passado nós passamos de frente para o Torre, no chão (não foi em barco), em pé mesmo. Além do frio normal dessa época, estava chovendo e ventando. Em função da minha experiência, desde então sempre recomendo para as pessoas passarem em algum lugar fechado ou semi-aberto (por isso a idéia do barco me parece ótima).
      Não há fogos, nem na Torre e nem no Arco do Triunfo. Há sim algumas pessoas que levam fogos e soltam por conta própria. Não é aquela coisa longa e sincronizada como na praia de Copacabana.
      Sei que ainda não ajudei totalmente, mas espero te responder de forma mais completa em breve.
      Beijos,
      Leticia (sou Leticia, e não Amanda, rs)

  • Isa Fraga

    Meu sonho e conhecer Paris estou querendo ir em abril do prox ano. Gostaria de saber se da pra fazer um tour a pé com minha cadelinha de porte miniatura. Dá pra pegar o taxi sem muitos problemas. Os parisienses sao receptivos a presença de animais como shops e cafes ao ar livre? Não gostaria de me separar de minha companheira nas ferias…………..

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Isa,
      Os parisienses amam e muitos têm cachorros! Sempre vejo seus donos com eles em restaurantes (muitas vezes no salão mesmo, não necessariamente na varanda) e lojas. Acho que você não precisa se separa dela nas férias não :-)
      Bjs

  • Isa Fraga

    Meu sonho e conhecer Paris estou querendo ir em abril do prox ano. Gostaria de saber se da pra fazer um tour a pé com minha cadelinha de porte miniatura. Dá pra pegar o taxi sem muitos problemas. Os parisienses sao receptivos a presença de animais como shops e cafes ao ar livre? Não gostaria de me separar de minha companheira nas ferias…………..

  • Pingback: (muy) Buenos Aires | não fosse isso era menos()

  • http://institutolumni.com Instituto Lumni

    Letícia, amei!!!!!

  • Tania maria araujo

    Tô adorando suas dicas de Paris. Já fui no reveillon e circulamos muito de metro, mas vou voltar agora em agosto para ver os jardins de Paris em pleno verão. Quermos fazer muita coisa a pé e curtir as ruas parisiense. Você acha que partindo da regiao entre a Torre e os Invalidos conseguiremos andar até Notre Dame ou até a Opera?
    Obrigada.
    Tania

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Tânia,
      Obrigada por visitar e curtir as dicas do meu blog.
      Você fez essa pergunta para uma andarilha, então te digo que dá para fazer esses percursos a pé sim, é só ir parando de vez em quando que vocês não vão nem perceber o cansaço. E isso é uma tarefa difícil em Paris, né? A gente sempre quer parar porque viu um monumento bonito, uma ponte, que tirar fotos etc.
      Outro dia mesmo fiz com amigos turistas o passeio da Torre até a Place de la Madeleine (pertinho da Opera) a pé e foi bem rápido, acho que umas 2h. Saímos da torre e seguimos pela margem esquerda do Sena, passando em frente ao Musée du Quai Branly (entre lá já que gosta de jardim, é maravilhoso – você entra so no jardim e não no museu, é de graça). Seguimos por essa margem até a ponte Alexandre III (que fica em frente ao Invalides), daí atravessamos a ponte e seguimos a Avenue Winston Churchill, onde ficam o Petit e o Grand Palais e caímos na Champs Élysées. Seguimos à direita nela em sentido à Place de la Concorde, fomos até a Pont de la Concorde para tirar fotos da Pont Alexandre III com a torre no fundo. Subimos a Place de la Concorde em direção à Place de la Madeleine e terminamos o passeio pelas lojinhas de comida e chocolates ali, entre elas algumas das quais já falei aqui no blog: http://allweneedisfood.com/2014/03/04/uma-loja-de-chocolates-que-me-faz-suspirar/
      http://allweneedisfood.com/2014/03/12/a-encantadora-lojinha-de-mostardas-da-maille-em-paris/
      http://allweneedisfood.com/2014/02/17/um-dos-dois-lugares-onde-compro-mel-em-paris/
      Você viu este meu post sobre a Promenade Plantée? Como você comentou que quer ver os jardins da cidade, talvez esse seja um passeio agradável http://allweneedisfood.com/2013/07/15/promenade-plantee-jardim-suspenso-em-paris/
      Obrigada,
      Leticia

  • Rose

    Olá Letícia vamos para Paris dia 31.08.14. Vc saberia me dizer como faço para ir do Aeroporto Charles de Gaulle até Montmartre, onde alugamos um apto. Qual a melhor e mais barata opção de transporte?Somos 2 adultos e 2 adolescentes. Obrigada.

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Rose,
      Sendo 4 pessoas, de RER (trem que leva até Paris) vocês pagariam cerca de € 40 e de ônibus vocês pagariam cerca de € 50 (o ônibus te deixaria em um ponto central da cidade e de lá vocês teriam que pegar um metrô ou taxi até Montmartre). O taxi para esse trecho não deve sair mais que € 50, então acho que é ele que tem o melhor custo x benefício. O que acontece é que se vocês vierem de RER, vão precisar fazer conexão para pegar o metrô até Montmartre em Paris e as estações nem sempre têm ou estão com as escadas rolantes funcionando.
      Os taxistas falam inglês, mesmo que nem sempre fluentemente. Todos conhecem a cidade bem então basta um papel com o endereço do hotel. O trajeto deve durar no maximo 1h sem trânsito excessivo. Se escolherem ir de taxi só peguem na fila indicada pela placas. Aqui, como no Brasil, tem os clandestinos que abordam os passageiros na saída do terminal e vão querer levar vocês para um carro estacionado longe sem taxímetro.
      Bom passeio!
      Leticia

  • Marcelo Ribeiro

    Olá Leticia, muito legal seu blog..parabéns!!! com pessoas pouco mais idosas (faixa de 60 a 70 anos) todos são tranquilos de fazer a pé? eu ja fui para Paris duas vezes e acho bem chato pra ser sincero, apesar de muitos falarem o contrario, ficar pegando metro toda hora..gostei da sua sugestão de pegar onibus (tambem vi hoje que o BatoBus no Sena é uma boa opcao)… quando diz para nao fazer conexão, vc diz de sair de uma região para outra? por exemplo, se quiser pegar um onibus do Louvre para Arco do Triunfo é ok? e o que acha destes onibus turisticos de dois andares ( tipo seigtseeing)? e por fim.rs. desculpe tantas perguntas, iremos fazer dois passeios com eles para Versallhes e Giverny… vi que tem empresas de VANS que fazem estes passeios cobrando uma media de 70 euros por pessoa.. acha que vale a pena? (estaremos na regia da OPERA). digo ,pelo custo beneficio x metro / trem, ou os tempos de viagem são os mesmos e melhor economizar? sugere destes passeios algum com outra coisa junto? (tipo giverny com mais um castelo? qual sua sugestao?) Obrigado!

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Marcelo,
      Os passeios são tranquilos de fazer a pé sim, o máximo que vai acontecer é vocês demorarem um pouquinho mais para fazê-los.
      Sobre a conexão que eu disse que não vale à pena, é assim: se você for fazer um trecho que não exista um ônibus direto e por isso tenha que pegar dois ônibus, daí não vale à pena ir de ônibus e sim de metrô porque os ônibus passam +- de 10 em 10 minutos e o metrô, de 4 em 4 minutos.
      Existem linhas que fazem o trecho do Louvre para o Arco do Triunfo e é uma ótima opção porque é pertinho e a vista é linda! Entra no site da RATP que você vai ver, é super fácil de usar. Se você estiver com internet aqui, baixe o aplicativo que é mais prático ainda. É só buscar por RATP.
      Sobre o transfer para Giverny e Versalhes, é muito cômodo pegar o transfer, mas ir de trem é rápido e fácil, principalmente para Versalhes. Para Versalhes, você pega a linha 8 do metrô na Opera para a estação Invalides, onde você pega o RER C sentido Versailles Rive Gauche. Tudo isso vai levar cerca de 1h e custa cerca de 8 euros por pessoa, ida e volta. O bom é que a estação onde você chega em Versalhes é bem perto do castelo, deve dar uns 5 minutos caminhando. Para Giverny você deve pegar um metrô até a Gare Saint Lazare (que é pertinho da Opera) e lá comprar o bilhete de trem para Rouen Rive Droite e o trajetinho de ônibus da estação de Rouen até Giverny. Acho que você consegue comprar tudo de uma vez lá na Gare Saint Lazare mesmo, mas se não conseguir sei que assim que você desembarca em Rouen já tem a empresa do shuttle. O trem custa cerca de 42 euros por pessoa ida e volta e o ônibus cerca de 7. O trajeto todo dá em torno de 1h-1:20h.
      Aproveitem!
      Leticia

      • Marcelo Ribeiro

        Leticia, muito obrigado pela sua resposta e comentário… pelo que passou o trem + onibus + entradas para Giverny vai dar mais ou menos na casa dos 60 euros por pessoa correto ? então se o transfer (VAN) pegando no hotel ja com tickets incluido tiver me cobrando uns 80 a 90 euros valeria a pena entao pelo custo beneficio , eu acho , concorda? Vc recomendaria Giverny com outro passeio no mesmo dia? (outro castelo, algo assim)? Obrigado!

        • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

          Oi Marcelo,
          Para Giverny vale à pena sim, mas para Versalhes acho que não (a não ser que eles estejam te cobrando mais barato).
          Não posso te recomendar outro passeio no mesmo dia porque nunca fui em nenhum castelo ou cidadezinha ali perto, então prefiro não opinar.
          Ah! Sobre a visita ao castelo de Versalhes, vale muito à pena comprar os ingressos antes porque a fila na hora é longuíssima. Compre aqui:
          http://billetterie.chateauversailles.fr/passeport-chateau-de-versailles-visite-chateau-css5-chateauversailles-pg51-ei110657.html
          Lá tem duas filas, uma para comprar o ingresso e outra para entrar no castelo, as duas longas.
          Obrigada,
          Leticia

          • Marcelo Ribeiro

            Leticia, obrigado!!!! acho que iremos fazer este esquema da VAN para Giverny então… iremos em Setembro e chegaremos numa terça (a tarde) e voltamos na outra terça a noite (portanto 6 dias inteiros mais a terça da volta)… além de Versailles e Giverny, pensamos em fazer nos outros 5 dias (inclundo o ida da volta) os Museus do Louvre , Dorsay, Torre e subir, Arco do Triunfo e Subir, Notredame, Montmartre com SacreCroeur como itens obrigatorios. Voce acha ok fazer nestes dias? o que sugeri do seus itens acima fazer em conjunto com estes itens? (obs 1 :acabei nao entendendo ou nao achei neste post como organizou os 10 dias de todos os itens acima (ja que tem 7 areas – obs2 – pensamos em sempre comecar o dia com uma atraçao destas principais e depois fazer coisas na redondeza “se der” – obs 3 – pensamos em usar também estes onibus tipo CITYVISION, para locomocoes em um ou dois dias, o que acha)? obrigado e me fale se estou abusando das perguntas por favor..rs.. Abraços!

          • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

            Oi Marcelo,
            No meu post sugeri passeios em 7 regiões para se fazer em até 10 dias pois muitas pessoas às vezes não conseguem fazer uma região em um dia só. Por exemplo, se você for visitar o Louvre, provavelmente vai gastar muito tempo e terá que fazer aquela região em 2 dias.
            Acho que esse lugares que você pensou em visitar em 5 dias sim.
            Não sei se o Cityvision vale à pena pois não conheço o preço. Se você for se locomover de ônibus ou metrô vai gastar uma média de EUR 1,37 por trecho (10 passes custam EUR 13,70, mas se você comprar 1 a 1, sai um pouquinho mais). Mas para andar de ônibus normal, sem ser o Cityvision, te aconselho a olhar sempre antes no site ou aplicativo do RATP pois não há um mapa de ônibus completo e fácil como há para o metrô.

          • Marcelo Ribeiro

            Ok Leticia, entendido!!! muito obrigado mais uma vez pelas respostas!!!

  • Marcos Fernandes

    Olá…antes de mais nada…adorei seu site!! Gostaria de sua ajuda…estou indo com minha mãe para a Disney de Paris onde vamos passar dois dias, além disso tenho um dia livre onde estávamos.pensando em ir até Paris. Minha idéia era pegar aquele passeio Paris Essencial de ônibus onde passaria pelos pontos turísticos durante a manhã e teria a tarde livre para passeio e compras. Como pretendo voltar uma próxima vez para conhecer a cidade de verdade, gostaria de usar esse tempo livre para compras. Onde você me indicaria um local com maior quantidade de lojas reunidas? Com bons preços? Algum shopping? Ou a Galeria Lafayette?? Champs Elisees? Lembrando que me interesso bastante por roupas de esporte Nike, Adidas, Puma, etc. E minha mãe queria ver algo de roupas e bolsas de marcas…LV, Armani, Dior, Channel… Assim como chocolates e lembrancinhas em geral…
    Aguardo seus comentários…
    Obrigado!

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Marcos,
      Fiquei em dúvida entre Galeries Lafayette e Printemps (elas são vizinhas e têm as mesmas coisas, só que a Printemps é mais vazia porque os turistas não conhecem tanto) ou a Champs Élysées. Nas duas primeiras a desvantagem é que elas não têm quiosques da Nike e da Adidas, mas têm essas lojas bem pertinho de lá, sendo que elas não são tão completas e grandes como as da Champs Élysées. E nos três endereços você tem as outras coisas todas: chocolates, lembrancinhas, roupas e bolsas de marcas, sendo que na Galeries Lafayette é ainda mais fácil para comprar chocolates e lembrancinhas pois lá tem um andar chamado Lafayette Gourmet que tem um supermercado sofisticado cheio dessas opções.
      Não fui muito objetiva na minha resposta, mas espero que ela te ajude a tomar a decisão.
      Obrigada,
      Leticia

      • Marcos Fernandes

        Letícia, muito obrigado pela ajuda e atenção!! Pelo o que estive vendo acho que consigo atravessar a Champs Elysees e depois seguir a pé até as Galeries Lafayette, ,mesmo porquê são somente alguns tipos de lojas que nos interessam e estamos acostumados a andar bastante a pé…deve dar tempo.
        Abraços!

  • Pingback: Cronograma gastronômico de Paris em agosto | All We Need is Food()

  • Abelardo Ladeia Filho

    Letícia, uma vez em Paris, como fazer para ir até a loja do “Pierre Marcolini” que fica na rua Saint Honoré, 75001 Paris, obrigado, Abelardo
    Estou indo para França/Paris e quero comprar chocolate nessa loja.-

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Abelardo,
      Ela fica logo abaixo da Place Vendôme e o metrô mais próximo é o Tuileries.
      Obrigada,
      Leticia

  • Fábio de Paula

    Gostei muito de seu roteiro, mas…e pra quem não come carne vermelha como eu, onde experimentar um bom peixe, por um preço razoável?? Vamos estar em Paris de 19 a 28 de outubro/14.
    abs, Fábio e Fátima

  • Pingback: Le Coq Ricó, delicioso restaurante para os domingos em Paris | All We Need is Food()

  • gisella Jatahy

    estarei passando 3 dias em Pris em maio com meu marido que nao conhece , pensei em fazer um tour naqueles onibus de 2 andares , mas nao sei se eles param nos lugares para fotos e aonde pega-los , e tentar ver os lugares mais importantes , pois depois vamos seguir para Alsacia , voce acha que em um dia ele consegue ter uma ideia de Paris ou melhor 2 dias ? quais os lugares aonde devo leva-lo ?

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Gisella,
      Desculpa pela demora na resposta.
      Acho melhor dois dias, um ficaria muito corrido.
      Para quem tem pouco tempo, esses ônibus são uma boa opção sim. Não tenho certeza, mas se não me engano você pode descer em qualquer ponto de parada, passear a pé e pegá-lo novamente no mesmo ou em outro ponto. Dê uma olhada no site de uma das empresas que faz esse serviço e consulte:
      http://www.hop-on-hop-off-bus.com/paris-hop-on-hop-off-bus-tours
      A escolha dos lugares é bem pessoal, mas para quem não conhece a cidade acho que o ideal seriam os bairros com mais atrações turísticas como as regiões citadas aqui neste post: 1 Paris Central, 2 Torre Eiffel, 3 Île de la Cité e 4 Saint Germain, Quartier Latin e arredores.
      Aproveite!
      Obrigada,
      Leticia

  • gisella Jatahy

    mais uma pergunta , quais seriam os restaurantes em Paris onde a comida nao viesse tao pouca , pois meu marido come bastante e tenho a impressao de q ele vai passar fome rs

  • Renata Mafra Melo Sabino

    Oi Leticia, já estive em Paris em 2011 e voltarei em Abril/2015. Sei que n conheço nada desse jeito q vc expos aqui…minha pergunta: vc nao faz esses tours com a gente nao? kkkk claro q remunerado, pois vou sozinha e nao sei se darei conta de fazê-lo, pois gosto muito de andar e pretendo ficar no Hotel Central Saint Germand…aguardo sua resposta…
    Obrigada.

    • http://allweneedisfood.com All We Need is Food

      Oi Renata,
      Desculpa a demora na resposta.
      Minha temporada em Paris acabou recentemente e voltei a morar no Brasil, apesar de continuar escrevendo sobre Paris pois ainda tenho muito assunto arquivado.
      Desculpa não poder te ajudar. Aproveite muito Paris!
      Obrigada,
      Leticia

  • http://cozinhavibrante.com.br Leticia – Cozinha vibrante

    teste

  • Carolina Palmieri

    Oi Leticia.. Adorei o post!
    Eu vou a Paris com o meu marido em outubro (16 a 20) e gostaria de saber o que fazer de passeio e restaurantes imperdiveis!
    Obrigada

  • José Cláudio Fabiano

    Nossa Letícia, que pessoa maravilhosa você é!
    Transborda para mim o carinho e dedicação com que você cuida do “CozinhaVibrante”
    para pessoas que você nem conhece….

    Que coisa linda sentir a competência humana positiva, em ação!

    Parabéns!

    Fabiano

    • http://cozinhavibrante.com.br Leticia – Cozinha vibrante

      Oi Fabiano,
      Que simpático o seu comentário! Muito obrigada :-)
      Leticia

  • Diana Soares Machado

    Letícia, como você é caprichosa e dedicada! Que post maravilhoso você fez! Estamos com viagem marcada para Paris (29/3 a 12/4/2016) com nosso pequeno de 7 anos e já colei em suas dicas mais que perfeitas! Ele nos pediu para passar o aniversário de 8 anos dele na Cidade Luz e não houve como não atender ao pedido (chic!) do guri! Parabéns por seu belo trabalho, querida! :)

    • http://cozinhavibrante.com.br Leticia – Cozinha vibrante

      Oi Diana,
      Obrigada pelo comentário simpático e por me contar um pouquinho de você!
      Aproveitem muito a viagem!
      Beijos,
      Leticia

  • Dri Mattozo

    Oi Leticia!!!
    Adorei as suas dicas e salvei todas. Eu estou indo pra Paris em março e queria um tour de roteiro gastronômico em Paris. Vc conhece algum pra indicar? Obrigada! Adriana